FAÇA SUAS COMPRAS PELO NOSSO BLOG.

Top30 Brasil - Vote neste site!
FAÇA SUAS COMPRAS PELO NOSSO BLOG. Concurso de sites Top30.
Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina
Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina

sexta-feira, 4 de junho de 2010

Comércio no Samba*(Por Mestre Afonso)

*Afonso Marra Filho, o Mestre Affonso, é natural de Belo Horizonte. Músico, produtor, radialista, colunista, está imerso no mundo do samba há 50 anos. Como diretor de Bateria, é detentor de vinte notas dez e vários Tamborins de Ouro, maior premiação individual no Carnaval de Belo Horizonte. Há seis anos, é colaborador do Programa Acir Antão, como repórter do samba, na Rádio Itatiaia, todos os domingos.

Vira e mexe ouço alguém reclamando sobre quem ganha dinheiro no samba. Muitos alegam que é gente de fora que ganha dinheiro em cima do samba. Não concordo com essa postura, porque de todos os sambistas que tentaram montar casas de samba, poucos se deram bem. A maioria das vezes, quando os sambistas profissionais tentam alguma promoção, desde a montagem de uma casa de samba até algum show, o trem descarrila pela ladeira abaixo. Nesses meus 50 anos de samba já vi coisas... Vi profissional do samba que contratou um artista e o artista não veio, e para não me alongar, estive numa festa promovida por um profissional do samba, onde a cerveja era em garrafa, mas não havia copos. Isto para não falar, e já falando, que vi muitas festas promovidas pelos profissionais, onde o som era de péssima qualidade e o grupo que atuava era abaixo de qualquer crítica. Esse procedimento é comum, visando que sobre mais dinheiro na bilheteria.

Quer dizer, muitos que se dizem profissionais de samba não têm o menor respeito pelo samba e pelo público. Aí quando a coisa não dá certo, esses são os primeiros a reclamar dos que chamam de invasores. Não existe invasão, o que existe é cada macaco no seu galho. Quem não sabe fazer ou não investe de forma correta, tem é que bater palmas para os que de uma forma ou de outra trabalham em nome do samba. E quando o profissional do samba reclama que ganha pouco, este é um problema pessoal. É falta de organização e/ou capacidade para colocar suas condições à frente do contratante. É claro que até eu fico humilhado, quando vejo um sambista receber dez ou vinte reais depois de quatro horas de trabalho.

Mas também já vi gente bêbada e outras coisas mais no palco. Já vi intérpretes e grupos totalmente despreparados para a função, e para que possamos reclamar temos que estar acima de qualquer suspeita. A verdade é que no frigir dos ovos cada um tem que tomar conta da sua vida e da sua carreira. Ao invés de ficar reclamando dos que chamam de gente que muitos dizem não ser do samba, mas ganha dinheiro com ele; monte seu grupo, sua casa de samba e toque seu barco. Ao invés de acordar às seis da tarde, levante cedo, bote a criatividade para funcionar e ganhe seu dinheiro honestamente. Não inveje, não crie revoltas, mesmo porque, bem ou mal, é através desses que muitos consideram como invasores que quase todos podem levar para casa o pão de cada dia. Todos sabem que não é mole administrar uma casa de shows: luz e água, impostos, funcionários, etc. E ainda tem a dureza de ter que enfrentar a tal da Secretaria do Meio Ambiente, que quando cisma com alguém, tira até a alma do caboclo, quando não lhe fecha a casa com critérios às vezes duvidosos. E ainda tem a Ordem dos Músicos que só aparece quando sente o cheiro do dinheiro. No mais a Ordem dos Músicos – aqui não me interessam os motivos – não fiscaliza absolutamente nada. O Sindicato dos músicos atua de forma precária, mesmo porque, a maioria dos músicos nem sabe que o sindicato existe.

O samba é produtivo, cria oportunidades de ganhar muito dinheiro, mas é preciso trabalhar direito para alcançar os benefícios que o samba oferece. Também, esse papo de ficar montando e desmontando entidades representativas como o Clube do Samba, associações e outras invencionices, é besteira. Está mais que provado que isso aqui em BH não funciona, nenhuma funcionou. Reuniões e projetos que foram apresentados nessas entidades jamais saíram do papel, isto quando o pau não quebrou por causa do dinheiro que ainda nem havia chegado. O que falta por aqui como sempre eu digo, é união e organização. Chorar pelos cantos também resolve, chorar pelo menos lubrifica os olhos. Fui!

Obrigado, meu Deus, pela honra e a glória de ter nascido sambista.

mestreaffonso@bol.com.br

Blog: http://mestreaffonsozip.net

Nenhum comentário: