FAÇA SUAS COMPRAS PELO NOSSO BLOG.

Top30 Brasil - Vote neste site!
FAÇA SUAS COMPRAS PELO NOSSO BLOG. Concurso de sites Top30.
Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina
Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

ATITUDE*

Por Mestre Afonso**

Compositores e cantores da velha guarda do samba e do choro brasileiro desembarcaram em Brasília para pleitear a criação de uma aposentadoria especial para músicos. Os artistas se queixam da falta de rendimentos mensais, o que os obriga a fazer diversos shows para sobreviver em plena terceira idade.
A ‘comissão de frente’ é formada por importantes nomes como os sambistas Nelson Sargento, Noca da Portela, Agenor de Oliveira, Wilson Moreira, Paulo Debétio e Delcio Carvalho. Na ala feminina, estão Adelaidade Chiozzo, Ademilde Fonseca e a filha Eymar. De São Paulo, foi Oswaldinho da Cuíca, dos Demônios da Garoa. Doente, Walter Alfaiate não viajou com o grupo. “O compositor brasileiro de qualquer ritmo não tem profissão regulamentada. Assim, não podemos receber aposentadoria, 13º salário, plano de saúde e outros benefícios”, diz o mangueirense Nelson Sargento, 85 anos.
Agenor de Oliveira, 60, ressalta que a dificuldade financeira acontece, principalmente, para os músicos que já são da terceira idade. “Os compositores mais novos podem iniciar a carreira com a adesão a um plano de previdência privada”, observa.
A proteção aos artistas não é uma novidade. Ela já existe em países como a França e a Bélgica. Os franceses possuem uma espécie de fundo onde é feito o depósito de uma taxa cobrada pelos shows realizados por artistas da ativa. Na Bélgica, eles têm direito a um seguro-desemprego.
NR: Era sobre isto que eu falava no Dia Nacional do Samba. Ao invés ou paralelamente às comemorações, atos políticos e sociais devem ser praticados pelos sambistas, em todo o país. No nosso caso – Belo Horizonte – a situação é mais séria porque estamos fora do eixo Rio-São Paulo, não temos a força política de outros estados e cidades que defendem a cultura com unhas e dentes. Nossos espaços musicais são limitadíssimos, enfim, nossos músicos – principalmente os da terceira idade - não têm nenhum amparo e suas oportunidades de trabalho foram muito reduzidas, por vários aspectos.
Comemorar o Dia Nacional do Samba, mesmo que esse dia nada tenha a ver com a história do samba, é justo, necessário até. Mesmo porque durante séculos fomos jogados (o samba e os sambistas) para os guetos, perseguidos e massacrados principalmente pela música internacional, que invadia nossas rádios, ocupando nossos espaços.
Mas é preciso que aproveitemos o momento em que o samba é abraçado por toda a nação, pra nos posicionarmos de forma mais firme e definitiva em relação aos nossos inúmeros problemas. Aqui não falo dos grandes nomes do samba, eles, graças a Deus e à sua luta própria, já alcançaram seu lugar ao sol. Falo em nome da rapaziada da “cozinha”, que às vezes só tem no samba o meio para obter o pão de cada dia.

Obrigado, meu Deus, pela honra e a glória de ter nascido sambista
** Afonso publica periodicamente essa coluna no blog de Zu Moreira, de onde retiro .

Nenhum comentário: